Março Azul-marinho

Março Azul-marinho reforça conscientização sobre câncer colorretal

O diagnóstico precoce é a melhor forma de prevenção contra a doença, que é considerada a segunda mais frequente no Brasil

Fazer consultas médicas regulares e exames periódicos continua sendo a melhor forma de prevenção contra o câncer colorretal (cólon e reto), tipo registrado como o segundo de maior incidência em homens e mulheres, ficando atrás apenas dos cânceres de mama e próstata, sem considerar o câncer de pele não melanoma. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), no ano de 2020, foram registrados aproximadamente 66 mil novos casos de câncer de mama, a mesma quantidade de próstata e 41 mil novos casos de câncer colorretal.

A doença se manifesta por meio de um tumor maligno em uma parte do intestino grosso e que pode se espalhar para outros órgãos. Grande parte deste tipo de tumor se inicia a partir de pólipos, lesões benignas que podem crescer na parede interna do órgão.

Quando diagnosticado de forma precoce, por meio de exames clínicos, laboratoriais ou radiológicos, as chances de cura aumentam significativamente. Por isso, no Brasil, é realizada a campanha Março Azul-marinho, que visa alertar a população sobre a importância de prevenir o câncer colorretal.

Para a médica cooperada da Unimed Goiânia na área de coloproctologia e cirurgia geral, Paula Leite, identificar sintomas com agilidade e fazer exames preventivos pode ser um fator decisivo. “A detecção precoce do câncer colorretal é uma estratégia para encontrar um tumor numa fase inicial e, assim, possibilitar um tratamento eficaz e até mesmo promover a cura”, esclarece a especialista.

Sintomas

Os principais sintomas do câncer colorretal são: sangramento nas fezes, massa abdominal, dor abdominal, perda de peso e anemia, além de mudança de hábito intestinal. “É importante lembrar que pessoas acima de 50 anos, com excesso de peso corporal e alimentação não saudável, correm mais risco de desenvolver a doença”, explica Paula Leite.

Devido a isso, a recomendação da Sociedade Brasileira de Coloproctologia (SBCP) é que pessoas a partir de 45 anos realizem a investigação preventiva por intermédio de exames endoscópicos, como a colonoscopia ou, até mesmo, pela pesquisa de sangue oculto nas fezes, mesmo que não tenham sintomas ou histórico deste tipo de câncer na família. O rastreamento, bem como a solicitação desses exames, pode ser feito por um médico generalista, não sendo restrito ao especialista.

Para realizar um atendimento de qualidade a aproximadamente 350 mil beneficiários, a Unimed Goiânia conta com profissionais altamente capacitados em diferentes especialidades, inclusive médicos coloproctologistas cooperados. Para identificar médicos cooperados, os benefciários podem consultar o Guia Médico, que está disponível no Aplicativo e no Portal da Unimed Goiânia, em Serviços On-Line.